Avançar para o conteúdo
MÁQUINA + SUMMER OF HATE

MÁQUINA + SUMMER OF HATE

Os Máquina são uma novidade surpreendente; pela juventude do seu projecto – apareceram no outono de 2021 – esperava-se uma criatura meio implume, mas a verdade é que o single «2», que lançaram pela ocasião do seu surgimento, é um voo decidido e ousado; são 10 minutos e meio de transe via bateria em modo motorik e vozes-espectro (Halison), de riffs casmurros e javardos no baixo (Tomás) e de uma guitarra danada (João) a subverter a esquadria da repetição com arrastões de delay e esfaqueamentos de ruído. Na feitura do single, é preciso dizer, foram apadrinhados pelo Chaby (Mighty Sands/Spring Toast Records), sujeito com uma sensibilidade e interesse invulgares por aquilo que torna uma malha sonicamente especial em comparação a todo o resto, o que, e eles certamente concordarão, terá contribuído para a maturidade precoce deste motor de três cabeças. Em poucas palavras, os Máquina tentam reproduzir, em formato power trio clássico guitarra+baixo+bateria, a estética que geralmente se associa ao body music, ao industrial e ao techno, construindo pontes diplomáticas entre a malta da música de dança, os psicadélicos e a malta do punk, um pouco à semelhança do que têm feito os 10 000 Russos ao nível internacional. ~ SUMMER OF HATE (S º H) Summer of Hate (S º H), nome que evoca imediatamente o verão de 1969 e a chacina cometida pela família Manson contra a alta sociedade de Los Angeles (se o leitor achar esta relação do nome da banda com o caso Manson exagerada, basta consultar o seu avatar no Spotify, onde uma mulher segura uma guitarra de 12 cordas sob o slogan «eat the rich and die»), foi escolhido por estes seis músicos do Porto para baptizar a sua banda de rock neo-psicadélico. Segundo o seu press release, os Summer of Hate têm um pé na pop dos anos sessenta e outro nos anos oitenta, no shoegaze, no pós-rock e no pós-punk britânico, o que os faz soar «como se uma banda folk estivesse a entrar em psicose»: na frente e ao centro temos a cantora Laura Calado, cujas melodias pairantes e arrastadas em ecos são impelidas verticalmente, para o êxtase, pela força das três guitarras eléctricas, entrelaçadas tímbrica e riffisticamente, de João Martins, Pedro Adelino e Pedro Ferreira; segundo uma entrevista à Threshold Magazine, o guitarrista João Martins diz que «com 3 guitarras existe mais informação harmónica, a parede de som torna-se mais densa e dada a natureza impressionista das texturas cada performance soa diferente pois notam-se artefactos sonoros novos sempre que se toca». A isto soma-se a pulsação repetitiva de Michel Oliveira no baixo e de Pedro Lopes na bateria, algo que resulta numa paradoxal ancoragem e desorientação narcótica, lasciva e arrebatadora, e que nos remete para o som de colossos do underground internacional como os Brian Jonestown Massacre, os Spacemen 3 ou os My Bloody Valentine. Os Summer of Hate estrearam-se ao vivo em 2016, no já extinto porém lendário festival Reverence Valada, e entre 2017 e 2019 lançaram quase 40 demos, dois singles e um álbum ao vivo no Ferro Bar no Porto. No final de 2022, e em sequência de um um apoio da GDA à edição fonográfica, lançaram o seu primeiro longa-duração gravado em estúdio, Love is Dead! Long Live Love, onde tentaram, como escrevem no seu bandcamp, «incorporar as nossas influências psicadélicas / shoegazey / pós-rock numa escrita clássica de canções pop, imaginando como é que este tipo de som seria nos anos 1960». AR

ABERTURA DE PORTAS

21h00

PREÇOS

MÁQUINA + SUMMER OF HATE

Data

27 Jan 2023

Hora

22:00
Galeria Zé dos Bois (ZDB)

Localização

Galeria Zé dos Bois (ZDB)
Rua da Barroca 59 - Lisboa
Website
https://cartazculturallisboa.pt/agenda-galeria-ze-dos-bois/
Bilhetes




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *