Avançar para o conteúdo
Son Rompe Pera

Son Rompe Pera – Musicbox

Son Rompe Pera

sex., 26 de jul., 22:00
€ 16,22 preço que vais pagar. Sem surpresas mais tarde.

Nascidos e criados em Naucalpan, nos arredores profundos da Cidade do México, os irmãos Gama e a sua banda Son Rompe Pera têm desafiado todas as noções preconcebidas do que é uma banda centrada na marimba e tornaram o instrumento inseparável do seu ethos punk. Os seus espetáculos tornaram-se o lar do agora famoso mosh pit de marimba em todo o mundo, unindo audiências intergeracionais em momentos de libertação essencial e comunidade em torno das suas cumbias punk infundidas com um punk incansável, avançado e arrojado. Com dois álbuns aclamados pela crítica e centenas de espetáculos em alguns dos palcos mais prestigiados do mundo para uma audiência em rápido crescimento, a banda prova consistentemente a sua ilimitabilidade quanto ao lugar onde podem levar o género, mantendo-se veementemente fiel ao facto de que as tradições devem ser honradas, quebradas e reconstruídas.

Son Rompe Pera é responsável por desenvolver e cunhar o género global “Cumbia Punk” – enraizado na sua história mergulhada numa rebelião profundamente sentida. Os irmãos Gama começaram a tocar e a atuar com a marimba quando eram crianças, ao lado do pai, Batuco, em casamentos, quinze anos e festas de aniversário aos fins de semana para ajudar a gerar renda para a família. Como adolescentes que são, os irmãos rejeitaram o instrumento notoriamente desinteressante e associado a lojas turísticas por vergonha, virando-se em vez disso para o punk. Passaram algum tempo a tocar em bandas de punk e psychobilly, mas o domínio do instrumento mostrou-se forte e eles eventualmente regressaram a ele, levando o punk consigo desta vez. Começaram a dar os seus próprios toques punk em canções tradicionais de cumbia, uma fusão extremamente dançável que veio unir audiências globais em mayhem suado e respeitoso.

Em 2016, o pai dos irmãos, Batuco, responsável por os introduzir na marimba e também por batizar a banda, foi morto num ato de violência local. Depois disso, os irmãos quase desistiram completamente da música, embora um encontro fortuito com o lendário grupo de cumbia chileno Chico Trujillo em 2017 tenha impedido que isso acontecesse, resultando eventualmente na gravação do seu primeiro álbum de estúdio. A banda passou 4 meses no Chile a gravar e a tocar, reavivando uma chama que eventualmente se tornaria impossível de extinguir.

Batuco, o seu álbum de estreia nomeado em honra do seu pai, foi lançado em 2020 pela ZZK Records. Quando uma pandemia abalou o mundo pouco depois, a banda naturalmente aproveitou o que a maioria do mundo considerava uma obrigação para parar como uma oportunidade para continuar. Deram vida a espaços que foram deixados sem vida, aparecendo regularmente para atuações com distanciamento social no Parque México da Cidade do México, promovendo um sentido de comunidade quando tal coisa parecia quase impossível.

Ao longo de 2021 e 2022, quando o mundo começou a girar novamente, os rapazes pegaram na estrada, tocando quase sem parar, incluindo várias datas na Califórnia com o lendário Panteón Rococó, no Levitt Pavilion de Los Angeles, no famoso Lincoln Center em Nova Iorque e em inúmeros palcos nos Estados Unidos e Europa, bem como uma atuação absolutamente arrasadora no palco principal do Vive Latino em 2022, um dos festivais mais importantes da América Latina. A sua audiência expandiu-se a uma velocidade incrível, e a procura pela sua experiência ao vivo contagiosa cresceu a cada minuto.

No início de 2022, a banda iniciou o seu próximo capítulo. Dirigiram-se a Bogotá, Colômbia, o berço da Cumbia, onde passariam uma semana a gravar o seu segundo álbum no estúdio Mambo Negro sob a orientação de Mario Galeano (Frente Cumbiero, Ondátropica e Las Pirañas). O álbum, chamado Chimborazo em homenagem a uma rua onde os irmãos moram, vira o script do seu primeiro álbum (que era todo de covers), entregando 12 faixas originais e voando muito mais perto do que o mundo conheceu dos shows selvagens da banda. Apresenta colaborações de Macha, La Perla, Gil Gutiérrez, entre muitos outros, e mistura habilmente Cumbia, batidas de dança tropical, punk arrebatador, guitarras psicadélicas, ritmos tradicionais mexicanos e colombianos, metais e uma pitada de dub e hip hop.

Chimborazo foi lançado em março de 2023 pela AYA/ZZK com aclamação por parte de NPR, Billboard, AP, WNYC, KCRW, Songlines e The Wire, que afirmou que o álbum ‘avança com cumbias ásperas e a todo o gás dominadas pelo tremor das costelas da marimba, enquanto esqueletos de surf punk se abrem caminho para fora do armário’. A banda, naturalmente, começou a correr, com várias turnês nos Estados Unidos e México, incluindo paragens no SXSW, Treefort Festival, Punk Rock Bowling e o maior espetáculo na sua cidade natal até agora – uma data esgotada no lendário teatro Lunario apenas no primeiro semestre do ano. Eles têm estado em uma turnê aparentemente interminável desde então – fazendo paragens em alguns dos festivais mais prestigiados da Europa, incluindo Roskilde, Paleo, Rio Babel, e além, bem como inúmeros palcos nos Estados Unidos e América Latina, continuando a levar a cumbia punk a alturas nunca antes vistas, desafiando os limites a que a música tradicional muitas vezes é relegada, tocando, gritando e cantando em devoção à possibilidade, em honra do legado e focados num futuro que é ilimitado, de gênero misto, colaborativo, barulhento e para todos.

Data

26 Jul 2024

Hora

22:00

Localização

MusicBox Lisboa
MusicBox Lisboa
R. Nova do Carvalho 24, 1200-019 Lisboa
Website
https://cartazculturallisboa.pt/agenda-musicbox-lisboa/