Avançar para o conteúdo

MOTELX – Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa – 16.ª edição

Já foram apresentadas as primeiras novidades da 16.ª edição do MOTELX – Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa.

De 6 a 12 de Setembro, naquela que é a casa onde o Festival decorre desde a sua primeira edição, o Cinema São Jorge, vai celebrar-se, finalmente, o terror sem restrições. Este ano, o MOTELX faz uma viagem geográfica e temporal pela melhor cinematografia de terror, com um grande destaque à produção nacional e no seu cruzamento com outras expressões artísticas, e alarga-se ainda a mais espaços da cidade, como o Teatro São Luiz, o Convento São Pedro de Alcântara e o Museu de Lisboa – Palácio Pimenta.

Um dos destaques é a estreia nacional de “Final Cut” (França, EUA, Japão, 2022), do realizador francês Michel Hazanavicius (“The Artist”). Entre o terror e a comédia, trata-se de um remake de “One Cut of Dead” (Japão, 2017), protagonizado por Romain Duris e Bérénice Bejo, onde uma equipa em rodagem de um filme low budget sobre zombies é atacada por zombies reais.

Os banhos de sangue continuam durante o Festival, mas elevados a um nível de intensidade gore extra forte, no mais recente giallo do mestre do terror Dario Argento – “Dark Glasses” (Itália, França, 2022) -, que o reúne novamente com a filha Asia e que recupera as marcas autorais do seu legado. Em estreia nacional exclusiva no MOTELX, é o grande regresso do realizador de “Suspiria” às salas de cinema.

Comprometido a mostrar uma vista panorâmica sobre a produção mundial em doses de terror bem servidas, o Festival revelou também algumas das longas-metragens que equilibram a geografia do programa: “Holy Spider”, de Ali Abbasi (França, Alemanha, Suécia, Dinamarca, 2022), “Huesera”, de Michelle Garza Cervera (México, Peru, 2022), “Hunt”, de Lee Jung-jae (Coreia do Sul) ou “Wolfskin”, de Jacques Molitor (Luxemburgo, 2022). À selecção oficial juntam-se os portugueses “Criança Lobo” (2022), de Frederico Serra, um folk horror com estreia mundial na 16.ª edição do MOTELX, sobre uma lenda numa assustadora aldeia portuguesa, e ainda “Os Demónios do Meu Avô” (2022), de Nuno Beato, a primeira longa-metragem de animação stop motion feita em Portugal.

Estas duas películas, em representação do cinema actual em Portugal, fazem a ponte com outro dos momentos altos deste ano: o lançamento do livro “O Quarto Perdido do MOTELX – Os Filmes do Terror Português (1911-2006)”. O registo inédito, com o carimbo do MOTELX, sobre a cinematografia de terror lusitana desconhecida, sublinha a evolução do género no país até um ano antes da primeira edição do Festival que desde então tem vindo a impulsionar a produção por cá. Um manual que faltava e que, como explicam os directores artísticos e programadores do MOTELX, Pedro Souto e João Monteiro, “encerra uma década de pesquisa iniciada em 2009 à procura das raízes de um hipotético terror nacional”.
É nesse seguimento que, na secção Quarto Perdido, se celebra Paulo Branco, o maior produtor de cinema português, com três filmes listados no livro que ainda não foram exibidos no Festival e de que foi responsável: “O Convento” (1995), de Manoel de Oliveira, “O Fascínio” (2003), de José Fonseca e Costa, e “Coisa Ruim” (2006), de Tiago Guedes e Frederico Serra. Obras que “partilham entre si aquela que será porventura a matriz do terror made in Portugal, ou seja um terror proveniente do folclore, o chamado folk horror“. Paulo Branco vai marcar presença no MOTELX para falar das suas experiências enquanto produtor.

Do mesmo naipe do livro, destaca-se o centenário “Os Crimes de Diogo Alves” (1911), de João Tavares – o primeiro filme de terror português com materiais fílmicos e o preferido de Bernardo Sassetti (1970-2012). Em memória do músico, desaparecido há dez anos, e em parceria com a Casa Bernardo Sassetti, o MOTELX apresenta, no Teatro São Luiz, esta película muda com a música do pianista interpretada em tempo real por um combo da Escola Superior de Música de Lisboa, reforçando a vontade do Festival em se alargar a outras propostas artísticas e a mais espaços.

Nesta edição do MOTELX acontece ainda um dia especial FILMar – projecto operacionalizado pela Cinemateca Portuguesa e pelo fundo europeu EEA Grants, que visa restaurar e digitalizar cinema relacionado com o mar -, em torno da temática “Terror e Mar”, com retrospectivas e debates.

De regresso ao Cinema São Jorge, nas Sessões Especiais, estão reservados “A Praga” (Brasil, 2021), uma cópia perdida e recentemente encontrada e restaurada, do “pai” do cinema de terror brasileiro, José Mojica Marins (1936-2020), e “A Última Praga de Mojica” (Brasil, 2021), de Cédric Fanti, Eugênio Puppo, Matheus Sundfeld e Pedro Junqueira, sobre o resgate deste filme inédito, do criador da personagem de culto Zé do Caixão (um agente funerário sádico que aterrorizou os espectadores a partir de 1964 com “À Meia Noite Levarei Sua Alma”).

Quanto às secções competitivas, o recém baptizado Prémio SCML MOTELX – Melhor Curta Portuguesa – o maior prémio monetário para curtas-metragens em Portugal – continua a sua missão de estimular a emergente e cada vez mais presente cinematografia de terror nacional. E traz uma novidade de peso: a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa empresta o seu nome ao prémio, representando um sinal claro de que o apoio ao cinema português de terror não os assusta. A competição mais importante do Festival mostra 12 filmes a concurso, como “Cemitério Vermelho” (2022), de Francisco Lacerda, “Matrioska” (2021), de Joana Correia Pinto, “Quando a Terra Sangra” (2022), de João Morgado, e “Uma Piscina” (2021), de Carolina Aguiar.

Em antecipação de mais uma intensa e aterrorizante edição do MOTELX, o habitual Warm-Up MOTELX SCML aquece os motores, de 1 a 3 de Setembro, com um cartaz imperdível que assinala a rentrée cultural lisboeta. A projecção de “O Fauno das Montanhas” (Portugal, 1926), de Manuel Luís Vieira (1885-1952), com música interpretada ao vivo pela Orquestra Metropolitana de Lisboa (que inicia assim a sua temporada musical), vai encantar o jardim do Museu de Lisboa – Palácio Pimenta – um espectáculo em colaboração com o programa FILMar, em parceria com a Cinemateca Portuguesa, e integrado na programação do Lisboa na Rua/EGEAC. Para comemorar o centenário de “Nosferatu” (Alemanha, 1922), de F.W. Murnau (1888-1931), o MOTELX oferece também uma experiência sonora e visual imersiva em torno do imaginário do filme, no Convento São Pedro de Alcântara. E, no Largo Trindade Coelho, a sessão de cinema ao ar livre, este ano com o filme “What We Do in the Shadows” (Nova Zelândia, 2014), de Jemaine Clement e Taika Waititi, cumpre a tradição no aquecimento do Festival.

De 6 a 12 de Setembro, o terror invade a cidade de Lisboa. Bem-vindos à 16.ª edição do MOTELX!

Data

06 - 12 Set 2022
Expired!
Cinema São Jorge

Localização

Cinema São Jorge
Av. da Liberdade 175, 1250-144 Lisboa




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.