Avançar para o conteúdo

Francisco Vidal e Ariel de Bigault | Exposição Margens Atlânticas

“Margens Atlânticas” inaugura no dia 17 de setembro e será a segunda de cinco exposições a apresentar no âmbito das celebrações finais do Espaço Espelho D’Água

Inserida na Temporada Portugal-França 2022, “Margens Atlânticas” nasce em Lisboa, do encontro entre Francisco Vidal, artista angolano-cabo-verdiano que explora as identidades africanas e diaspóricas, e Ariel de Bigault, autora e realizadora francesa com um longo percurso em Portugal e nos países lusófonos. Na sequência de séries como “Black Mamba”, “Tempestade”, “Humans go Home” – variações a partir de temas e/ou figuras – “Margens Atlânticas” é a mais recente série de trabalhos de Francisco Vidal. Inspirado nos filmes de Ariel de Bigault, procura utilizar o desenho e a pintura para explorar momentos, como se de um storyboard “pós-filme” se tratasse. O seu objetivo é “perceber a fronteira entre o filme e o desenho (…) e como esta fronteira se torna uma ponte, uma ferramenta para acabar com os muros.”

Trabalhando em co-autoria no âmbito desta exposição, apresentam diversas instalações, nas quais são integrados múltiplos materiais e recursos audiovisuais: dos trechos de filmes da cineasta e respetivos espaços de visualização, à reprodução de imagens dos mesmos que serão confrontadas com os múltiplos desenhos do artista. No Espaço Espelho D’Água visam recriar personagens e situações: de Grande Othelo, Gilberto Gil e Zeze Motta (Éclats Noirs du Samba, 1987), a Lourdes Van-Dúnem (Canta Angola, 2000), passando por José Eduardo Agualusa e Mariza (Margem Atlântica, 2006) e ainda Fernando Matos Silva e Ângelo Torres (Fantasmas do Império, 2020).

Em comum, F. Vidal e A. De Bigault visam a criação de arquivos de memórias porvir. Consideram que a falta de arquivos afro-lusófonos e afro-europeus impõe a urgência de registos contemporâneos de figuras, atitudes e ideias que nos juntem na construção do presente e do futuro.

“Margens Atlânticas” será a segunda de cinco exposições a apresentar no âmbito das celebrações finais do Espaço Espelho D’Água.

Inaugurado em setembro de 2014, este projeto em Belém, Lisboa cumprirá o seu propósito. O de evidenciar neste local histórico o lado afetivo da viagem dos portugueses pelo mundo, através da gastronomia, da música e das artes plásticas. O Espaço Espelho D’Água chega ao fim em novembro, após vários anos a aproximar pessoas e culturas. Este último ciclo de exposições irá apresentar vários artistas, como poderá ser consultado no calendário abaixo:

3 a 15 de setembro | Jorge Correia | “Vultus Meus”
17 a 29 setembro | Ariel de Bigault e Francisco Vidal | “Margens Atlânticas” (apresentada no contexto da Temporada Portugal-França 2022)
1 a 13 outubro | Luís Jesus | “Memórias de Um Futuro Passado: as Cores São o Que Foram”
15 a 27 outubro | Jonny Páscoa, Igor Costa e Fernandes de Pinho | “Não Temos Aulas Amanhã”
28 outubro a 5 novembro | Lino Damião | “Lândana ao Virei”

EXPOSIÇÃO
ARIEL DE BIGAULT E FRANCISCO VIDAL
“MARGENS ATLÂNTICAS”
17-29 de setembro

INAUGURAÇÃO: 17 de setembro, das 17h – 20h
Este dia ficará marcado por um encontro-diálogo, no qual o artista e a cineasta darão a conhecer o projeto e algumas curiosidades na relação entre este e os seus percursos.
HORÁRIO: diariamente, das 11h às 00h
DATAS: 18 de setembro a 29 de setembro de 2022

Data

17 - 29 Set 2022
Ongoing...

Hora

17:00 - 0:00

Localização

Espaço Espelho d'Água
Av. Brasília, 1400-038 Lisboa




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.