Avançar para o conteúdo
EU NUNCA VI UM HELICÓPTERO EXPLODIR - CENTRO CULTURAL MALAPOSTA

EU NUNCA VI UM HELICÓPTERO EXPLODIR

Informamos que os lugares da sala onde se realiza este espetáculo/atividade SÃO MARCADOS. As normas de entrada deste evento respeitam as Diretrizes da DGS em vigor atualmente. O uso de máscara é obrigatório.

SINOPSE

Numa casa no campo, por via da pandemia da covid-19, um homem e uma mulher têm de escrever em conjunto uma peça de teatro. O que na vida de todos os dias não ousariam dizer um ao outro alimenta a escrita, esbatendo fronteiras entre fantasia e realidade.
No palco, pessoas filmadas evocam perplexidades e interpelam os actores. E o diálogo conjugal, cómico ou simplesmente cruel, redime-se numa rotina criativa propiciada pela mudança da cidade para a aldeia.
Que casal será este, afinal? O que vêem nele os novos vizinhos e até os amigos do passado? A que lugar pertencem esse homem e essa mulher: à aldeia onde se reencontraram ou à cidade onde se conheceram? E como poderão escrever sobre isso, juntas, duas pessoas com impulsos criativos e métodos de trabalho tão distintos ela que escreve para dizer o que pensa, ele que escreve para perceber o que sente?
Em fundo, a pandemia é vivida com especial dramatismo nos grandes agregados populacionais. O mundo debate-se com todos os géneros de restrições à liberdade, e a vida passa a ser vivida nos ecrãs. Um tempo assustador e fascinante, embora nem por isso para aquele casal o confinamento sempre foi o seu modo de vida.
Mas, a reboque desse privilégio, vem também a inquietante sensação de se viver à margem da realidade…
Uma reflexão sobre a evolução de um casamento, as rivalidades sobre as quais ele pode disputar-se, os desejos e as frustrações em jogo; o gesto criativo, os seus diferentes métodos e motores e a medida de conciliação a que é possível aspirar; os desafios de uma epidemia única em mais de cem anos e a vertigem daquilo a que chamámos aldeia global.
Teatro, cinema, radio, televisão, internet eis um espetáculo que cruza todas essas linguagens.

FICHA ARTÍSTICA

Texto: Catarina Ferreira de Almeida e Joel Neto
Encenação: Luisa Pinto e António Durães
Interpretação: António Durães, Maria Quintelas, Rui de Noronha Ozorio, Luisa Pinto, Constança Antunes e a participação especial do Jornalista Fernando Alves
Crónicas SINAIS (TSF): Textos: Fernando Alves, Fotografias: Paulo Pimenta
Música: Luis Bettencourt
Espaço cénico: Luisa Pinto
Figurinos: Composição coletiva
Criação e operação Vídeo: Rui Carvalho
Luz: Mariana Figueroa
Fotografia de cena: Paulo Pimenta
Assistente de produção: Constança Antunes
Apoio: TSF
Coprodução: Narrativensaio-AC, Casa das Artes de Famalicão e Câmara Municipal de Angra do Heroísmo

PREÇOS

Bilhete Inteiro – 12,00€

DESCONTOS
Maiores de 65 anos | Menores de 25 anos | Grupos + 10 pessoas
Profissionais de espetáculo | Cartões Câmara Municipal de Odivelas | Funcionários Câmara Municipal de Odivelas | Cartão FNAC | Konica Minolta | Clube P *
*Descontos efetuados na bilheteira da Malaposta, mediante apresentação do respetivo documento comprovativo do desconto.

A marcação de lugares para pessoas com mobilidade reduzida (cadeira de rodas) deve ser realizada diretamente com a Malaposta através dos seguintes contactos: ccmalaposta@gmail.com ou 212478240

EU NUNCA VI UM HELICÓPTERO EXPLODIR – CENTRO CULTURAL MALAPOSTA

Data

05 Mar 2022
Expired!

Hora

8:00
CENTRO CULTURAL MALAPOSTA

Localização

CENTRO CULTURAL MALAPOSTA
R. de Angola, 2620-492 Olival Basto
Website
https://cartazculturallisboa.pt/agenda-centro-cultural-malaposta/




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *