Avançar para o conteúdo
AMOR MUERE - GALERIA ZÉ DOS BOIS

AMOR MUERE – GALERIA ZÉ DOS BOIS

Amor Muere

Ao longo dos últimos anos criámos relações com uma certa ideia de rock promovida por bandas como os black midi, Black Country, New Road e os caroline – entre muitos outros – de que o art-rock desta década seria assim: movido por noções proto do pós-rock, atento às dinâmicas repetitivas da electrónica dos 1990s, sem estar desligado do vigor comercial, afinal as coisas que as bandas criam têm de ser canções. Depois acontecem coisas como as Amor Muere, que nos recordam que o mundo não é anglo-saxónico e, mais importante, não são eles que ditam as regras, somos nós encostados à preguiça que acreditamos nisso, para facilidade de arrumarmos as ideias que temos do passado, presente e futuro. As Amor Muere procuram o mesmo que as bandas atrás mencionadas, mas não têm a prisão de fazer uma canção.
O quarteto mexicano formado por Mabe Fratti, Camille Mandoki, Gibrana Cervantes e Concepción Huerta cria melodias assombrosas em algumas das peças do seu primeiro registo. “A Time To Love, A Time To Die” contém maravilhas como “LA” ou “Love Dies” que deixam qualquer um empoleirado com sentimentos de superelevação pop. Depois estreita caminhos para a música experimental/industrial, com “Shhhhh” ou “Violeta y Malva”, acordando-nos para uma certa realidade. No fundo, é como se o primeiro registo das Amor Muere fosse um contraste permanente entre o sonho (as belíssimas melodias) e a realidade (a rudeza em como experimentam com som e expõe o seu resultado). O contraste expõe a importância deste tipo de música, de risco, muitas vezes não vir do centro de decisão (Inglaterra, Estados Unidos): a vontade de manipular, controlar, exsudar as nossas sensações não por via do academismo frio mas pela magia do experimentalismo. “A Time To Love, A Time To Die” e as Amor Muerte são daquelas coisas que no papel não fazem muito sentido. Ao ouvi-las o território mágico torna-se tangível e percebe-se o efeito no concreto. Como o fazem é também democrático, os sons entrecruzam-se naturalmente, sem manifestações de ego ou algo que queira assumir um papel principal. O resultado por vezes é caótico, assimétrico, mas regulado, com sentido e convencido do resultado. Para fazer algo assim não podem existir inseguranças. As Amor Muerte transpiram noção de estar no local e tempo certos. E, por isso, acredita-se nelas, neste experimentalismo mágico, entre o rock, a contemporânea e a musique concrète. AS

ABERTURA DE PORTAS

21h30

PREÇOS

AMOR MUERE – GALERIA ZÉ DOS BOIS

Date

29 Mar 2024
Desde

Time

22:00

Localização

Galeria Zé dos Bois (ZDB)
Galeria Zé dos Bois (ZDB)
Rua da Barroca 59 - Lisboa
Website
https://cartazculturallisboa.pt/agenda-galeria-ze-dos-bois/
Categorias
Translate »