Avançar para o conteúdo
Como impor um limite absoluto ao capitalismo Jun Fujita Hirose

Como impor um limite absoluto ao capitalismo?- Jun Fujita Hirose

28 janeiro (conversa) sábado 16h Sala Manuela Porto

Jun Fujita Hirose COMO IMPOR UM LIMITE ABSOLUTO AO CAPITALISMO?

Continuando um caminho que tem vindo a ser empreendido no TBA de desbravamento e contextualização de alguma da mais influente produção filosófica crítica pós-1968 – interrogando a sua utilidade para os dias de hoje –, recebemos Jun Fujita Hirose numa conversa moderada pela investigadora Susana Caló. Nesta conversa, o filósofo e crítico cultural japonês especula sobre os modos possíveis de impor atualmente um limite possível ao capitalismo, tarefa que aborda na senda da filosofia de Deleuze e Guattari. O pretexto é a publicação recente em espanhol do seu livro ¿Cómo imponer un límite absoluto al capitalismo? Filosofía política de Deleuze y Guattari (Tinta Limón, 2021). Como se pode ler na sinopse do livro: Os três principais livros da prolífica produção conjunta de Gilles Deleuze e Félix Guattari debruçam-se sobre a mesma questão fundamental: como derrubar o capitalismo, como explodir com os dispositivos da sua axiomática. E propõem, para isso, uma estratégia única e invariável: o devir-revolucionário de todxs. Mas a tática que inventam é, a cada vez, diferente. Trata-se de, em cada conjuntura, determinar um agente central e o seu devir-revolucionário específico: os proletários na luta de classes e o seu devir-fora-de-classe, em O Anti-Édipo (1972); as minorias na luta em torno dos axiomas e o seu devir-minoritário, em Mil Planaltos (1980), e o “homem” no humanitarismo face às vítimas, e o seu devir-animal, em O que é a filosofia? (1991). A crise pandémica da Covid-19 constitui, para o capitalismo, o seu terceiro momento de destruição criativa, em que se estabelece um novo regime de acumulação global, sob a hegemonia chinesa, tendo os metais raros como matéria-chave. Que tática corresponde a esta nova situação? Talvez o possamos equacionar a partir da seguinte frase de Deleuze e Guattari em Mil Planaltos: “todos os devires começam e passam pelo devir-mulher.” JUN FUJITA HIROSE é crítico de cinema, filósofo e professor da Universidade Ryukoku (Quioto). Autor de Cine-capital. Cómo las imágenes devienen revolucionarias (2014).

Following the path undertaken by TBA of clarifying and contextualizing some of the most influential and critical post-1968 philosophical discourse – interrogating its use in the world of today –, we welcome Jun Fujita Hirose in a conversation moderated by researcher Susana Caló. In this conversation, the Japanese philosopher and cultural critic speculates about the possible ways of currently imposing a limit on capitalism, an endeavour he approaches through the ideas of Deleuze and Guattari. The context is the recent publication in Spanish of his book How to impose an absolute limit on capitalism? The political philosophy of Deleuze and Guattari (Tinta Limón, 2021).

Entrada livre (sujeita à lotação) mediante levantamento prévio de bilhete (máximo de 2 por pessoa) na bilheteira no próprio dia a partir das 15h. Duração 2h. Em inglês

Como impor um limite absoluto ao capitalismo?- Jun Fujita Hirose

Data

28 Jan 2023

Hora

16:00
TBA - TEATRO BAIRRO ALTO

Localização

TBA - TEATRO BAIRRO ALTO
R. Ten. Raul Cascais 1 A, 1250-268 Lisboa




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *